top-right

Retossigmoidoscopia Flexível

Exame realizado com vídeo endoscópio com sistema computadorizado de captura de imagens que são impressas diretamente no laudo.

Indicações:

Exame clínico para diagnóstico do reto.

Preparo prévio:

É feita aplicação de um frasco de fleet-enema duas horas antes do exame.

Como é feito:

O aparelho é introduzido no ânus, alcançando +/- 20cm, para visualização de alterações existentes.
Após o exame o paciente é liberado.

Procedimentos complementares associados ao exame:

Biópsia

Realizada quando é necessário o esclarecimento complementar de uma lesão encontrada durante a inspeção endoscópica.

Cromoscopia

Técnica endoscópica que consiste na utilização de corantes que colocam em evidência alterações que, comumente, passariam despercebidas ao exame convencional.

A coloração pode trazer esclarecimentos de três ordens:

  1. Acentuar a visão dos relevos.
  2. Informar sobre a estrutura histológica ou histoquímica do epitélio de revestimento e de soluções de continuidade que o interromperam.
  3. Fornecer indicações sobre as funções do epitélio.


Hemostasia com injeção esclerosante

É utilizada uma agulha descartável, montada em cânula de teflon, com a qual se punciona o território do vaso sangrante e através da qual se injeta uma solução de álcool para provocar edema local e conseqüente compressão do vaso sanguíneo.
Pode-se usar a adrenalina que injetada, localmente, promove a parada do sangramento ao provocar significativa vasoconstrição.

Hemostasia mecânica de reto (hemoclip)

É o método mais eficaz e definitivo utilizado nas hemorragias de qualquer etiologia.
Aplica-se um pequeno clip metálico estrangulando e obliterando, completamente, o vaso sanguíneo causador da hemorragia.
O clip permanece aderido e é envolvido pelo tecido cicatricial.
O material do clip é inerte em relação ao organismo.

Hemostasia térmica por endoscopia (cauterização de lesões com argônio)

Tratamento de lesões através de cauterização com gás argônio.

Magnificação de imagem 100x, 150x e 200x

É a observação endoscópica da estrutura fina da mucosa do aparelho digestivo.
A magnificação de imagem com aumento de 100, 150 e 200 vezes associada ao uso de corantes, torna o exame mais detalhado, já que as imagens produzidas são similares ao diagnóstico histopatológico.

Mucosectomia de reto (retirada de lesões planas)

A mucosectomia é uma técnica que possibilita, através da videoendoscopia, a retirada de lesões pré-malignas ou carcinoma superficial do tubo digestivo, que no passado somente poderiam ser tratadas cirurgicamente.
A técnica utilizada para a realização deste procedimento consiste na injeção de soluções líquidas ou coloidais na submucosa adjacente à lesão, o que determina maior protrusão da mesma, facilitando a ressecção endoscópica.

Polipectomia de reto

Neste ato cirúrgico-endoscópico é utilizada uma alça metálica, diatérmica, para envolver a lesão.
A alça é fechada, gradualmente, provocando estrangulamento da lesão.
A passagem de uma carga elétrica aquece o fio da alça causando efeito cortante e cauterizante, simultaneamente.